Prefeito e coordenador do cadastro imobiliário falam sobre mudanças no IPTU 2018 em Muriaé

Várias foram as pautas abordadas pelo prefeito de Muriaé, Grego, em entrevista concedida ao jornalista Anderson Ribeiro em cadeia com às rádios Atividade AM e FM e também com transmissão em vídeo pela TV Atividade, ao vivo. Entre as pautas, estão as mudanças para o IPTU 2018 e Grego também esclareceu porque as residências do programa Minha Casa Minha Vida no distrito de Vermelho II ainda não foram entregues.

Mudanças no IPTU 2018

Eduardo Veggi, coordenador do cadastro imobiliário e Isabele Cardoso de Morais, assessora do secretário de fazenda, também participaram da entrevista. O prefeito Grego começou falando sobre a revisão da planta genérica, que gerou bastante polêmica no ano passado (2017), porem, foi necessário realizar essa revisão, porque, segundo Grego, há 11 anos não era feita uma correção nos valores.
Também foi esclarecido pelo coordenador do cadastro imobiliário, questões referentes ao pagamento do imposto. A novidade para este ano, é o parcelamento mínimo de R$ 41,00 para pessoa física e R$ 102,50 para pessoa jurídica, podendo chegar a até 10 parcelas, com vencimento no dia 30 de março a primeira parcela.
Já para quem optar pelo pagamento com desconto de 10%, terá que pagar o IPTU à vista com vencimento em 7 de Julho de 2018. Eduardo ainda esclarece que o boleto chegará a casa do contribuinte com todas essas opções, ficando a cargo do pagador escolher a melhor forma de pagamento.
A entrega dos impostos começam a chegar às residências a partir da próxima segunda-feira (26/02), segundo Veggi.

Entenda o novo cálculo

Sobre a revisão da planta genérica, Grego disse que todos os IPTUs sofreram alteração no valor, uns para mais, outros para menos, já que a revisão é feita levando-se em conta a valorização e desvalorização dos bairros e o cálculo do imposto, agora é feito com base em 30% do valor do imóvel. Depois, para se chegar ao valor real do imposto, aplica-se 0,5% para imóveis em construção ou em obra, e 1% do valor do cálculo (30%) para imóveis sem obras.
Por exemplo, se o seu imóvel vale R$ 100.000,00, a prefeitura vai calcular o imposto com base em 30% do valor e chegará em R$ 30.000,00. O contribuinte então, pagará 0,5% em cima deste valor (R$ 30.000,00) como valor real do IPTU, ou seja R$ 150,00, caso o imóvel esteja em construção ou em obra. E se não estiver, o valor do imposto é caculado em 1% em cima dos 30% (R$ 30.000,00), chegando ao valor de R$300,00.
COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here