LIRAa aponta queda no índice de infestação da dengue em Muriaé

0
54

Índice diminuiu de 1,2% para 0,5% em outubro e está abaixo do percentual preconizado pelo Ministério da Saúde.

O segundo Levantamento Rápido de Infestação do Aedes aegypti (LIRAa) de 2019 apontou diminuição na quantidade de áreas em situação de risco em comparação com o último levantamento de janeiro deste ano. O índice atual aponta 0,5% de infestação. No mesmo período, em outubro de 2018, o percentual foi de 1,8%. Além disso, também houve uma redução em relação ao primeiro LIRAa do ano, divulgado em janeiro, o qual apontou 1,2% de focos.
O LIRAa foi realizado entre 14 e 17 de outubro, quando foram visitados 2.017 imóveis em toda cidade. Esta porcentagem de 0,5% está abaixo do índice que é considerado de “baixo risco” pelo Ministério da Saúde – de 1%.
Apesar dos números favoráveis, a Prefeitura orienta que os muriaeenses continuem atentos para o combate de focos do mosquito em suas residências, como ralos, vasos sanitários e vasos de flores, e tenham uma atenção especial para a disposição correta de seu lixo. Em Muriaé, os bairros que apresentaram maior número de focos foram Dornelas, Barra, região da Armação (Centro) e Santa Helena.
A diretora da Saúde Ambiental da Secretaria Municipal de Saúde, Carla Morcerf, atribui esta diminuição no índice ao trabalho dos agentes de endemias que, constantemente, têm feito visitas nos domicílios e comércio, além das ações de conscientização, como o Recicla Mania, e a reciclagem de penus.

“Estamos sempre atentos quando se trata da dengue, zika e chikungunya, realizando ações de prevenção. Mas esse trabalho depende também do auxílio e participação de todos”, diz.

Reciclagem e educação ambiental

Mapeamento realizado por dois anos pelos agentes de endemias apontou que 38% dos criadouros estavam em materiais recicláveis encontrados nos quintais. Pensando nisso, foi criado o Recicla Mania, um projeto que está levando educação ambiental para crianças em 45 escolas de Muriaé, com palestras, gincanas e coleta de recicláveis. Até o momento, os agentes mirins já arrecadaram mais de três toneladas destes materiais, os quais poderiam se tornar criadouros do Aedes aegypti.
O objetivo do projeto é conscientizar as crianças – consideradas importantes multiplicadoras do conhecimento – sobre a importância da correta disposição do lixo para prevenir doenças transmitidas pelo Aedes. Além disso, a iniciativa visa incentivar a coleta seletiva, que contribui para diminuir os focos do mosquito.
Os materiais recicláveis podem ser entregues até 1º de novembro na escola mais perto da residência.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here